Eu tenho diabetes, posso colocar implantes dentarios? | SOS Dr
SOS Dr

E-mail ou senha informados está incorreto.

Não é cadastrado? Cadastre-se agora!

E-mail ou senha informados está incorreto.

Já possui cadastro? Acessar conta!

E-mail ou senha informados está incorreto.

Não é cadastrado? Cadastre-se agora!

Titulo Teste

Para realizar o agendamento ligue: 0800 580 9771

Ou agende pelo WhatsApp:

O diabetes é uma doença que interfere no bom funcionamento de vários órgãos do corpo humano e também da boca. Especificamente, essa condição pode consolidar problemas orais, como gengivite ou periodontite.


Dada a relação entre saúde bucal e diabetes, muitos pacientes se perguntam se os implantes dentários podem ser colocados. Para dirimir todas as dúvidas, neste artigo vamos explicar-lhe qual é a relação entre esta doença e os implantes dentários.





O que é diabetes mellitus?


O diabetes é um distúrbio do metabolismo caracterizado pela presença de concentrações permanentemente altas de glicose - açúcar - no sangue. Essa alteração é resultado de um defeito na produção ou uso que o corpo humano faz do hormônio denominado insulina.


O órgão responsável por sua produção é o pâncreas, que também regula os níveis de glicose no sangue, permitindo que entre nas células para fornecer energia ao corpo.


Sem o efeito da insulina, o corpo não absorve a glicose adequadamente e ela permanece no sangue. São precisamente esses altos níveis de açúcar no sangue que implicam uma série de complicações na saúde da nossa boca.





A relação entre diabetes e implantes dentários


Como apontamos, o diabetes pode envolver inúmeros inconvenientes na vida cotidiana de uma pessoa, mas existem três fatores que são importantes para nós quando se trata de implantes:


  • Sua relação com doenças periodontais (gengivite e periodontite)


Por outro lado, ter diabetes aumenta o risco de piorreia três vezes se não houver medicação para manter o nível glicêmico sob controle. Por outro lado, a doença periodontal dificulta o controle da glicemia.


  • Maior tempo para cicatrização de feridas ou feridas.


Após a realização da cirurgia de implante, uma etapa crucial deve ocorrer: a osseointegração. É o processo pelo qual o parafuso é totalmente fixado ao osso dentário e que garante a correta sujeição a longo prazo.


Pessoas diabéticas podem ter uma taxa de infecção mais alta e nenhuma osseointegração após certos tratamentos dentários.


Por exemplo, após a remoção de um dente ou após a colocação de implantes dentários.


  • Problemas de higiene dental devido à falta de saliva


A limpeza bucal é a base da saúde da nossa boca e a que garante, em grande medida, o sucesso de quase todos os tratamentos odontológicos.


A saliva tem uma função importante na boca, pois ajuda a mantê-la hidratada e evita o acúmulo de bactérias.


Depois de colocar um implante, é especialmente importante manter rotinas de higiene exaustivas e, às vezes, o diabetes pode fazer nossa boca ficar seca.





Se eu tiver diabetes, posso fazer implantes dentários?


Como você pode ver, o diabetes pode afetar a saúde da nossa boca se não for controlada por medicamentos adequados. Mas quando se trata da colocação de implantes dentários, a verdade é que não existem estudos que comprovem de forma sólida que se trata de algo incompatível com a doença.


Assim, desde que o diabetes seja controlado antes do início da cirurgia, não deve haver um risco aumentado de fracasso. Ou seja, quando o paciente é diagnosticado com diabetes e segue um tratamento supervisionado por um médico.


Nesses casos, a taxa de sucesso do tratamento é semelhante à de pacientes sem diabetes, em torno de 97%.






Quais os cuidados que um paciente diabético que tem implantes deve ter?


Como já apontamos anteriormente, o mais importante é que o diabético tenha a doença sob controle antes de se submeter ao tratamento com implantes.


Como essas são pessoas com maior probabilidade de complicações decorrentes de doenças periodontais, é importante prevenir quaisquer problemas.


Para evitar o aparecimento de infecções e contribuir para a cicatrização, o dentista pode prescrever uma dose maior de antibióticos e por mais tempo. Geralmente, o antibiótico começará a ser administrado durante a cirurgia e precisará ser mantido por mais uma semana ou dez dias.


Após a intervenção, o implantologista voltará a ser o profissional responsável por definir os próximos passos do tratamento e os cuidados que o paciente deve seguir.


Mas, além dos cuidados que devem ser seguidos durante o próprio procedimento cirúrgico ou pós-operatório, os cuidados devem persistir na rotina de vida do paciente. Por exemplo, uma das diretrizes mais importantes é manter uma boa higiene oral.


Desta forma, o tártaro não se acumula nos dentes e gengivas. E, com isso, as cáries não aparecerão e o risco de sofrer de doença periodontal será evitado. O mais importante é a higiene em casa e os check-ups prescritos pelo dentista.


Para garantir uma melhor limpeza bucal, é aconselhável o uso de ferramentas como escovas interproximais e irrigador dentário.


Uma pessoa com diabetes pode levar uma vida totalmente normal, mas sem esquecer que a doença pode manifestar complicações no corpo e na boca.