Entenda os impactos da diabetes para a saúde | SOS Dr
SOS Dr

E-mail ou senha informados está incorreto.

Não é cadastrado? Cadastre-se agora!

E-mail ou senha informados está incorreto.

Já possui cadastro? Acessar conta!

E-mail ou senha informados está incorreto.

Não é cadastrado? Cadastre-se agora!

Titulo Teste

Para realizar o agendamento ligue: 0800 580 9771

Ou agende pelo WhatsApp:

A diabetes é uma doença séria que requer cuidado e atenção. Segundo dados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 2016, existem cerca de 422 milhões de adultos com diabetes no mundo. 90% dos diabéticos têm o tipo 2 da doença. Isto é, que mais de 370 milhões de pessoas tenham o diabetes tipo 2 em todo o planeta.


Já no Brasil, pesquisas realizadas também em 2016 , apontaram dois números. O primeiro é referente a Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o IBGE. De acordo com os dados do estudo, 9 milhões de brasileiros estão com diabetes. Isso corresponde a mais de 6% da população.  Já os dados da Sociedade Brasileira de Diabetes, indicam mais de 12 milhões de brasileiros.


A estimativa é que em 2040, 642 milhões de pessoas ao redor do planeta estejam com diabetes. Por consequência, a previsão é que mais de 570 milhões serão detectadas com o tipo 2 da doença.




Fonte: Adobe Stock



Impactos da diabetes para a saúde


O sangue circula por todo o corpo, sendo assim, os níveis de glicose precisam estar estáveis. Caso contrário, o excesso de açúcar pode afetar áreas muito diferentes do organismo. Quando a diabetes não é controlada, ela pode elevar o risco de desenvolver problemas sérios para a saúde, desde sequelas nos rins, olhos, coração e até levar à morte.


Veja as principais complicações do diabetes!



Lesões nos rins



A nefropatia diabética ou lesões nos rins, é quando há uma alteração nos vasos sanguíneos dos rins que levam a dificuldades na filtração do sangue. Com o sobrecarregamento do órgão, há a ocorrência de microalbuminúria (presença de pequenas quantidades de proteína na urina).


O tratamento não precoce do problema pode levar a uma insuficiência renal crônica Os resíduos começam a acumular-se no sangue e, consequentemente, os rins falham. Quando uma pessoa chega nesse estágio, é necessário realizar transplante ou de sessões regulares de hemodiálise.




Problemas nos olhos



Portadores de diabetes estão mais sujeitos à cegueira. A doença aumenta em 40% o risco de glaucoma e em 60% o de catarata. Além disso, também pode causar retinopatia diabética, um conjunto de alterações vasculares na retina.




Problemas no coração



O agravamento da diabetes também está relacionada com o desenvolvimento de diversos processos inflamatórios no organismo, o que amplia o risco de comprometimento do coração. Por esse motivo, as chances da pessoa ter infarto, hipertensão arterial ou ter um AVC, aumentam.


Ademais, o risco para a doença vascular periférica, também é maior. As artérias das pernas e dos pés sofrem obstrução ou oclusão, levando ao estreitamento e endurecimento das artérias.




Neuropatia diabética



A neuropatia diabética está relacionada à degeneração progressiva dos nervos, responsável por diminuir a sensibilidade ou causar o aparecimento de dor em várias partes do corpo, especialmente as extremidades como as mãos ou os pés.


As alterações nos vasos sanguíneos e no metabolismo podem causar danos aos nervos periféricos. A glicemia alta reduz a capacidade de eliminar radicais livres e compromete o metabolismo de várias células, principalmente as dos neurônios.




Neuropatia periférica



A neuropatia periférica é uma condição que afeta os nervos periféricos, responsáveis por encaminhar informações do cérebro e da medula espinhal para o restante do corpo. Umas das causas mais comuns para o seu surgimento é a diabetes.


A redução do fluxo de sangue para os pés e da sensibilidade ocorre devido aos danos que a falta de controle da glicose causa aos nervos. Essas duas condições fazem com que seja mais fácil sofrer com úlceras e infecções, que podem levar à amputação de algum membro.




Problemas na pele



Diabéticos possuem uma tendência maior de apresentar ressecamento na pele porque a doença pode resultar em alterações nos nervos da pele. Ao afetar os nervos do sistema nervoso autonômo, que controlam a produção de suor e de sebo, a pele vai ficando cada vez mais seca.


O problema pode desencadear uma uma ruptura da linearidade das células cutâneas, promovendo coceira intensa. Coçar a pele nessas condições, pode gerar um trauma, levando ao desenvolvimento de escoriações, espessamento, vermelhidão, escamas e rachaduras.


Desta forma, a porta de entrada para bactérias e fungos é facilitada, o que pode gerar complicações mais graves, como a formação de úlceras. Por conta da dificuldade de cicatrização proveniente da má circulação sanguínea, esses ferimentos podem se tornar mais graves em diabéticos do que seriam em pessoas sem a doença.





Para prevenir estas complicações, é fundamental ter um diagnóstico precoce da doença por meio da realização de exames de sangue como glicemia em jejum, hemoglobina glicada e o teste de tolerância à glicose.







Fontes:


http://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/diabetes#:~:text=O%20diabetes%20pode%20causar%20o,diabetes%20pode%20levar%20%C3%A0%20morte.

https://www.diabetes.org.br/publico/complicacoes/complicacoes-do-diabetes

ttps://www.news-medical.net/health/Diabetes-Complications-

http://www.brasil.gov.br/saude/2015/07/diabetes-atinge-9-milhoes-de-brasileiros

https://www.endocrino.org.br/numeros-do-diabetes-no-brasil/

https://www.idf.org/aboutdiabetes/what-is-diabetes

https://www.minhavida.com.br/saude/materias/31973-diabetes-5-duvidas-sobre-problemas-de-pele-ligados-a-doenca